Então, todas as religiões se fundirão numa só. "Um só rebanho e um só pastor" contra o AntiCristo, o homem do pecado, que se sentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. ( S. Paulo, II Tessalonicenses 2-3 e 4)

 

Vamos percorrer a História para ver onde encontrar e desmascarar o AntiCristo:    A corrupção do império romano era enorme. A filosofia estóica não pode detê-la. Surgiu Cristo. O Cristianismo, cimentado com sangue, em 10 peregrinações (de Nero a Dioclesiano), acabou malogrando em 312 (religião oficial do império romano, pelo édito de Milão, decretado por Constantino Magno, depois de ter inventado ter visto no céu, durante uma batalha contra Muxênco, uma cruz de fogo e a frase : ‘In hoc signo vinces’ – ‘Com este sinal vencerás’). O arianismo não concordou com isto e foi massacrado em 318 (OBS.: Veja O Abuso para maiores informações).

 

Eis o verdadeiro ANTI-CRISTO. O dragão  da ignorância que deu à Besta " o seu poder, o seu trono e grande autoridade". Apocalipse 13, vs 2.
A igreja Católica Apostólica Romana promulga o VERDADEIRO ANTI-CRISTO, como a história de seus atos podem nos confirmar. O sinal da cruz representa o ANTI-CRISTO.
Qualquer um que deseje ver e ouvir, reconhecerá que os ensinamentos dogmáticos da igreja são teias de mentira finamente tecidas. Como o Pai ou o seu filho poderiam tomar partido de uma batalha, que foi uma verdadeira carnificina, para proteger um ou outro lado? Não são todos filhos de Deus, e a coerência de sua lei "não matar" onde fica?    Vamos passar à seguir os ensinamentos de Jesus de Nazareth e não os ensinamentos daquele que foi posto nos altares, o Cristo da Cruz, querendo parecer e ser Deus. Temos aí a Litáurica que reforma a religião de Cristo e nos trás a verdade, caminhemos com ela pois as palavras de Cristo vêm sendo deformadas e abusivamente aplicadas já há quase dois milênios.     Como relata Roseli Von Sass :    "É o cruel e horrível assassínio do Filho de Deus na Cruz, é apresentado como um intencional ato de amor... Apenas objetos seguidores de Lúcifer poderiam por no mundo uma tal mentira. Não obstante, seria fácil distinguir a verdade da mentira. E por quê Jesus pronunciaria as palavras : ‘Pai, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem!’ ... porque essas palavras, se o assassínio era desejado?     A estrutura da Igreja, porém, já oscila. O próprio dogma provocará a derrota definitiva. É de dentro para fora que o edifício ruirá. Certamente, soa cruel e não combina com a configuração da fantasia que a igreja formou do amor divino.    Tudo o que o ser humano pensa e faz, entra em contato com a lei da reciprocidade. É a lei que o Filho de Deus, Jesus, revelou à humanidade com as simples palavras: ‘O que a criatura semear, terá de colher múltiplas vezes!’"